sexta-feira, 29 de junho de 2018

Human Evolution


Hoje irei indicar um desses jogos mobile sem fim e que tem.por.objetivo te manter vidrados no game até não der mais.

O nome é human evolution, e ao contrário do que o nome indica não se trata de evolução de apenas humanos, mas evolução de uma maneira geral.


Você começa o jogo com uma sequência de dna e ao juntar duas sequências cria uma bactéria. Ao juntar duas bactérias cria outro ser e assim por diante até sair da água e ir para a terra. Você vai criando novos seres e desbloqueando novas áreas numa espécie de corrente sem fim. É um tipo de jogo bem comum atualmente.

O jogo é interessante e viciante, principalmente por que ele te apresenta uma lista de seres a serem desbloqueados e você fica curioso para saber até onde o jogo vai.

O problema é exatamente o estilo de jogo. Como você tem que ficar somando seres iguais para avançar no jogo, ele fica muito lento ao se chegar em níveis avançados. Essa lentidão toda se torna enfadonha e irrita, diminuindo a longevidade do game no seu celular.

Os gráficos cartunescos lembram desenhos bobos infantis e as musicas não animam, reforçando todo esse cansaço que você sente com o game.

De qualquer forma, o jogo serve para passar alguns momentos enfadonhos do cotidiano, ainda que não por muito tempo.


quarta-feira, 27 de junho de 2018

Podcast Locadora #76 - Tudo Menos Games: Recomendações


Após a ressaca da E3, o podcast está de volta, nesse episódio Bulma, Felipe, Desgraça e Business Cat recomendam tudo, menos games.

   Se preferir, baixe a versão em mp3
   Ou assine o nosso feed: http://feeds.feedburner.com/PodcastLocadoraTV
   Envie seu e-mail para: locadoratv@gmail.com

Comentados no episódio:

The Trip


A dica de hoje é de um jogo infinito, casual e simples, mas muito interessante.


O jogo “The Trip” é basicamente um rip-off do jogo do dinossauro do Google. Nele, você dirige uma van, que é jogada pra frente por um sinal de local do Google Maps e ao tocar a tela, sua van dá um flip no ar, desviando dos obstáculos que aparecem no seu caminho. Quanto mais você avança, mais você ganha velocidade e aí fica a dificuldade do jogo, pois a velocidade vai aumentando e, apesar de não aumentarem o número de obstáculos, a velocidade diminui o tempo que você tem para se preparar para eles.

Os obstáculos são poucos, mas interessantes. Além de outras vans, temos vans voando e uma espécie de item que, quando você pega, libera seres peculiares, para se dizer o mínimo, como olhos, que eu não consegui desviar ainda.


O jogo contém uma música alegre, que faz lembrar esses filmes de viagens de comédia ruim e uns gráficos simples, que lembram rabiscos de algum designer gráfico bem criativo, o que dão ao game uma atmosfera bem leve. Algo que agrada aos olhos.

Apesar disso, o fato do game ser infinito, sua falta de variedade de conteúdo acaba sendo enfadonho, mesmo para um game casual. Então não acredito que é um game que irá ter grande longevidade nos celulares de nossos queridos leitores.

De qualquer forma, é um game interessante, divertido em seus momentos iniciais e com um grande potencial, já que é belo, simples e criativo, ainda que limitado.


segunda-feira, 25 de junho de 2018

Helix Jump


Essa é a nova onda da galera. Se aproxime de qualquer grupo de jovens dinâmicos entediados por aí e você verá que 8 em cada 10 deles irão estar com o “Helix Jump” aberto em seu celular. A febre não é à toa.

Helix Jump é um jogo mobile desenvolvido pela Voodoo Games para Android e iOS, simples e casual, mas com uma oportunidade de vício enorme.


 O game consiste de simples comandos de arrastar o dedo na tela, de um lado para o outro, movendo uma plataforma vazada que permite uma bola que pula incessantemente passar. Mas nem tudo é simples, pois nas plataformas existem pedaços de cor diferente nos quais a bola pula-pula não pode tocar. Se tocar, você já era, perdeu!

Se sua bola passar por vários vãos ao mesmo tempo, ela ganha mais energia e destrói o próximo bloco em que ela tocar. Para aumentar a competitividade, as plataformas têm um fim, então o jogo é constituído de fases, o que te motiva a continuar seguindo em frente no jogo, embora as plataformas começarem a mudar e ficar muito difíceis, como plataformas que se movem e espaços cada vez menores para passar.

Não notei se o jogo tem trilha sonora. Se tiver, deve ficar desativado por default, mas notei efeitos sonoros quando a bola pula e quando ela explode, no celular da minha colega jovem dinâmica de sala. Os gráficos também são bem simples, mas exigem uma certa quantidade alta de processamento do seu celular, porque no meu, pelo menos, ficou cheio de lag. Aí eu perdia e lógico, como todo pro-player, culpava o lag!

Enfim, “Helix Jump” é um jogo simples, casual, divertido e muito viciante. Vale a pena!